Login ou Esqueceu a sua senha?
E-mail:
senha

Estudo Dirigido - GRANDES ORAÇÕES DA BÍBLIA


 

Estudo XI - A ORAÇÃO SACERDOTAL DE JESUS




"Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em Mim, por intermédio da sua palavra; a fim de que todos sejam um; e como és Tu, ó Pai, em Mim e Eu em Ti, também sejam eles em Nós; para que o mundo creia que Tu Me enviaste." João 17:20 e 21


O CÉU E A TERRA JÁ ESTIVERAM UNIDOS. O pecado e os separou. É a missão de Satanás criar divisões no casamento, na família, na igreja, ou nas tribos e nações. O evangelho de João faz o contraste entre o Céu e a Terra.


Jesus veio trazer vida a um mundo de morte, luz a um mundo em trevas, verdade a um lugar de mentiras. Ele desceu do mundo superior para ser a escada de ligação entre os dois territórios. Em Jesus, divindade e humanidade se unem, de forma que Ele Se torna nosso Sumo Sacerdote, representando Deus a nós e representando-nos perante Deus. Ele trouxe o Céu à Terra e, em Sua ascensão, elevou a humanidade até Deus.


Ao estudar esta oração, examine seu coração para ver o que a conversação de Jesus com Deus significa para você pessoalmente.


"É Chegada a Hora" - João 17:1-5


Ao final da reunião no cenáculo, Jesus reuniu os onze discípulos ao Seu redor e dirigiu-os em oração. Primeiramente, Ele orou por Si mesmo (vs. 1-5), em seguida, por Seus discípulos (vs. 6-19) e, finalmente, por todos os crentes. Deste modo, Jesus orou por você (vs. 20-26).


"A hora" de Cristo havia chegado. "A hora" tinha sido planejada desde a fundação do mundo. Ele havia esperado por Sua "hora" durante toda a Sua vida na Terra. Para Ele, a hora da Sua morte era a Sua hora de glória: Ele glorificaria o Pai e o Pai O glorificaria (João 17:1).


Que glória existia em ser levantado na cruz? O que Ele realizaria por este meio? João 12:23, 24, 31 e 32


A crucifixão parecia ser tudo, menos gloriosa. Na encruzilhada do mundo, Jesus seria desnudado de toda dignidade humana, e degradado pelo próprio povo que viera salvar. Por incrível que pareça, no entanto, para Ele esta era uma hora de suprema glória. Ele estava a ponto de iluminar o mundo e o Universo expectante com uma glória nunca antes testemunhada, embora Ele e o Pai partilhassem essa glória antes de criarem o mundo (17:5) – a glória do amor disposto a sacrificar-se. Jesus estava Se referindo aos principais resultados de Seu sofrimento na cruz (Isa. 53:10 e 11).


Qual era o segredo de Jesus estar tão jubiloso em face de uma morte cruel? João 17:13; Heb. 12:2


Pela fé, Jesus superou o tempo e o espaço. Ele podia ver a glória do futuro e trazê-la para a escuridão presente. Ele podia erguer-Se acima das trevas da Terra até a presença de Seu Pai (João 17). Ele também nos convida a "ir ao Pai" por meio dEle (14:6). Podemos "achegar-nos...confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna" (Heb. 4:16).


Examine novamente Hebreus 4:16. O que essas promessas significam? O que quer dizer aproximar-nos de Deus "confiadamente"?


Propriedade Mútua - João 17:6-10


Jesus Se alegrou porque havia completou a obra que Deus Lhe dera para fazer (João 17:4). Que obra era essa? João 17:6, 8 e 12


Jesus considerava que era Sua missão na Terra revelar o Pai aos discípulos para que eles levassem essa revelação ao mundo. Ele plantou a semente. Eles deveriam semear mais e buscar a colheita (4:35-38), tornando sua obra, em extensão, maior do que a dEle (14:12). Todas as gerações subseqüentes creriam em Jesus por meio de seus esforços (17:20).


No verso 8, Jesus diz a Seu Pai duas coisas sobre os onze homens que ouviam Sua oração:


1. Eles tinham aceito os ensinos de Jesus, em contraste com os fariseus e outros que O ouviram.


2. Eles sabiam sem sombra de dúvida de onde Jesus viera, e a aceitação deste fato levou-os a uma verdade adicional.


Jesus e Seu Pai não possuem contas bancárias separadas. Eles possuem tudo em conjunto, e nós somos uma de Suas propriedades mais preciosas.


Como nos tornamos propriedade de Deus? João 3:16-18 João 12:32 João 14:6 João 15:16


Tanto o Pai como o Filho trabalham para nossa salvação. O Pai nos atrai a Jesus (6:44), e Jesus nos atrai para Ele por Sua cruz (12:32). Neste sentido, somos Sua propriedade, obtida a grande custo para Eles, e Eles têm grande alegria em nós. Mas também temos um papel a desempenhar. Devemos responder ao poder de atração de Deus.


"Pai, Guarda-os" - João 17:11-19


Qual era a grande preocupação de Jesus antes de enfrentar a separação de Seus discípulos? João 17:11


"Jesus está prestes a partir; conseqüentemente, Ele entrega os discípulos aos cuidados de Seu Pai... . Eles seriam deixados em um mundo mau e precisariam de graça especial em sua batalha contra o pecado. Este poder mantenedor todo cristão pode reivindicar. Deus não permitirá que ele seja tentado acima do que pode suportar (I Cor. 10:13). Ele é invencível aos assaltos de Satanás enquanto batalham na força e na luz do Céu. Porém, Deus guarda apenas aqueles que escolhem ser guardados. Quando, contra o conselho divino, os homens teimosamente se colocam no terreno do inimigo, não podem esperar ser guardados pelo poder de Deus."


Apesar de ser tão fácil esquecer, vivemos em um mundo onde as forças sobrenaturais estão sempre em ação. Em nossa humanidade, com nossas próprias armas carnais e mundanas, somos incapazes de lutar contra aqueles poderes que nos são hostis. Batalhar sozinhos contra Satanás é como querer derrubar um jato militar com um estilingue. É por isso que temos que contar com o poder de Deus. Mais do que qualquer outra coisa, a oração é o método pelo qual nos apegamos àquele poder – como fez Cristo.


"Como homem, suplicava ao trono de Deus, até que Sua humanidade fosse de tal modo carregada com a corrente celestial, que pudesse estabelecer ligação entre a humanidade e a divindade. Mediante contínua comunhão recebia vida de Deus, de maneira a poder comunicar vida ao mundo." – Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, pág. 363. Pela vida de oração, podemos estar tão plenos do poder do amor abnegado que nosso rosto irradie a glória de Deus – Seu nome em nossa fronte.


Jesus viu em Seus discípulos a semente da Sua igreja, que se estenderia pelos continentes e séculos para se tornar uma grande multidão que não se podia contar, em pé, diante do trono, louvando-O pela Sua salvação (Apoc. 7:9 e 10). Esta era a alegria de Jesus e, em João 17:13, Ele ora para que nós também sintamos por inteiro essa mesma alegria. Para que façamos isso, devemos aprender a permanecer nEle, como os ramos permanecem na videira. Então, experimentaremos o poder do nome de Deus e a alegria de servi-Lo.


No Mundo, mas não do Mundo - João 17:13-19


Por que o mundo odeia Jesus e Seu povo? João 17:14; 15:18 e 19


"Porque os seguidores de Cristo não cooperam com o mundo, participando de seu pecado, são acusações vivas contra a imoralidade do mundo. O mundo segue os planos de Satanás, e Satanás é o inimigo declarado de Jesus e de Seu povo."


Jesus disse a Pedro que Satanás "o pediu". O nosso adversário alega ser o proprietário de todo pecador (Zac. 3:1; Judas 9; Apoc. 12:10). Por essa razão, Jesus nos guarda. Ele não quer perder uma única pessoa.


"Eu [Jesus] lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da Minha mão. Aquilo que Meu Pai Me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode arrebatar. Eu e o Pai somos um" (João 10:28-30).


Leia sobre coisas que Jesus e Seu povo têm em comum. (João 17:13,16,18 e 19)


Na oração sacerdotal de Jesus, Ele "põe todo o Seu ser em uma oração de ação de graças ao Pai por permitir-Lhe sofrer pelo mundo... . Em toda a oração Ele continua falando de Seus discípulos como um dom de Deus a Ele... . Amorosa e confiantemente, Ele os entrega à vigilância e ao cuidado do Pai... para que eles se unam, e sejam um em coração, mente e propósito."


Pense por que Jesus, o Filho de Deus, precisava consagrar-Se. O que isto diz sobre a importância de consagrar-nos a Deus?


"Que Todos Sejam Um" - João 17:20-26


Depois de orar especificamente por Seus onze discípulos, Jesus ampliou o escopo de Sua oração para incluir "aqueles que vierem a crer... por intermédio da Sua palavra" (João 17:20).


Qual era o supremo desejo de Jesus para nós, que seguimos os Seus discípulos? João 17:21-23.


O Pai e o Filho estão intimamente ligados. Eles nunca agem independentemente, mas sempre estão unidos em tudo o que fazem (João 5:20-23). Compartilham um amor comum pela humanidade caída a ponto de o Pai ter sacrificado Seu Filho, e o Filho sacrificado Sua vida (João 3:16; 10:15). Nenhum dEles busca a própria glória, mas cada Um glorifica o Outro (17:1). Conhecer Um é conhecer o Outro (João 14:7 e 9). Este tipo de relacionamento é que Cristo deseja para nós, os membros de Sua igreja.


A unidade a que Jesus está Se referindo é "uma expressão da diversidade criativa dentro da Divindade. Assim como existe só um ‘Deus verdadeiro’ que Se manifesta pelas diferentes funções de Pai, Filho e Espírito, a amorosa unidade do corpo de crentes se expressa por uma rica variedade de dons e ministérios. Toda a família de Deus é uma bela composição de diferentes culturas e temperamentos, cores e dons, oferecida a Deus em adoração e ministério para que Ele seja glorificado".


O amor é a "cola" que nos conservará em unidade cristã (17:26). Amor, unidade e glória estão intimamente relacionados. O amor mantém unido o Universo. O egoísmo o divide. A definição de amor cristão é encontrada em I Coríntios 13:4-7.


Para refletir mais sobre o assunto do amor e da unidade expresso na oração de Jesus em João 17, leia o seguinte: Salmo 133; Efésios 4:1-16; I João 3:1, 11-24; 4:7-21.


A oração de Jesus em João 17 "‘é uma lição sobre a intercessão que o Salvador cumpriria dentro do véu, quando Seu grande sacrifício em favor dos homens, a oferta de Si mesmo, estivesse completada. Nosso Mediador deu aos discípulos esta ilustração de Seu ministério no santuário celeste no interesse de todos os que forem a Ele em mansidão e humildade, vazios de todo egoísmo e crendo em Seu poder para salvar’.


Pouco antes de se deixar levar para morrer, Jesus consagrou Seus discípulos e todos os futuros crentes ao Seu Pai em oração. Os laços do amor de Deus são o poder de que precisamos para atrair o mundo descrente a Cristo. Ore diariamente por um derramamento desse amor sobre si mesmo e sobre a igreja.


 
Envie esta página à um(a) amigo(a)