A Bíblia em Esboco
Primeira Epístola de São Pedro

 


Análise nº
60

Palavra-chave: "Sofrimento"

Mensagem: Como poderemos sofrer, paciente e alegremente, para a Glória de Deus.

INTRODUÇÃO GERAL

AUTOR: Pedro, o apóstolo.

Este não era o Simão Pedro do começo, impulsivo e cheio de fraquezas, a quem Cristo chamou de Simão, Marcos 14:37; Lucas 22:31; João 21:15-17, mas o Pedro que, segundo Cristo profetizou, se converteria numa rocha, João 1:42 - o mesmo homem que havia sido disciplinado durante anos de sofrimentos e provas, e havia sido fortalecido com o batismo no Espírito Santo. A carta, evidentemente, pertence aos últimos períodos de sua vida.

DATA E LUGAR: Indeterminados. A Babilônia à qual se refere no versículo 5:13, pode não ser a cidade às margens do rio Eufrates. Muitos crêem que era Roma, chamada figuradamente Babilônia.

DESTINATÁRIOS: Os eleitos espalhados através da Ásia Menor. Provavelmente a todo o corpo de cristãos dessa região, tanto judeus como gentios. Pedro envia esta mensagem espiritual de ânimo, instrução e admoestação, especialmente às igrejas fundadas por Paulo.

PROPÓSITO: Ao escrever esta carta, Pedro obedeceu duas ordens específicas dadas por Jesus.

PALAVRA CHAVE: Sofrimento. Ocorre quinze vezes ou mais na carta.

TEMA CENTRAL: A vitória sobre o sofrimento como foi exemplificada na vida de Cristo.

SINOPSE

Saudação, vs. 1-2.

I. A salvação gloriosa.

Cap. 1.

  • (1) A esperança viva, centralizada na ressurreição de Cristo, v. 3.
  • (2) Herança incorruptível e imarcescível, v. 4.
  • (3) Poder divino mediante o qual os crentes são guardados em vitória no meio do sofrimento.
    • (a) Por meio da fé, v. 5.
    • (b) Pelo regozijo nas provas, v. 6.
    • (c) Permanecendo como ouro refinado no fogo, na vinda de Cristo, v. 7.
    • (d) Em amor e gozo indescritíveis, v. 8.
  • (4) Plano misterioso.
    • (a) Acerca do qual os profetas inquiriram, predizendo os sofrimentos de Cristo e a glória que seria revelada nos últimos tempos; um anelo dos anjos, vs. 10-12.
    • (b) Chama os crentes ao domínio de si mesmos, à obediência à espiritualidade, à santidade e à reverência piedosa, vs. 13-17.
    • (c) Seu custo infinito, vs. 18-19.
    • (d) Escolhido antes da criação do mundo, vs. 20-21.

II. A vida do crente à luz da grande salvação.

Cap. 1. (Cont.)

  • (1) Deve ser purificada e regenerada por meio da verdade eterna, mostrando amor fraternal, vs. 22-25.

Cap. 2.

  • (2) Deve estar livre de todas as más inclinações e anelar o leite da Palavra para poder crescer, vs. 1-3.
  • (3) Deve chegar a ser uma pedra viva de um templo espiritual, do qual Cristo é a principal pedra angular, vs. 5-6.
  • (4) Deve reconhecer Cristo como precioso, como Aquele que foi rejeitado e é pedra de tropeço para os que não crêem, vs.7-8.

III. Posição e deveres dos crentes.

Cap. 2. (Cont.)

  • (1) Honorável e santa como o povo de Deus. Devem oferecer louvor ao seu Libertador divino, vs. 9-10.
  • (2) Como estrangeiros e peregrinos, abster-se de desejos pecaminosos, v. 11.
  • (3) Deveres civis e sociais: Uma conduta irrepreensível perante o mundo, obediência às autoridades civis, silenciando assim a crítica hostil, vs. 12-15.
  • (4) Ser bons cidadãos, vs. 16-17.
  • (5) Deveres em um lar cristão.
    • (a) Dos servos: Devem ser obedientes e pacientes, ainda que em meio ao sofrimento injusto, agradando assim a Deus, vs. 18-20.
    • (b) Devem considerar a Cristo como modelo do que sofre e como Aquele que levou o peso do pecado, vs. 21-25.
Cap. 3.
    • (c) Das esposas: Devem ser puras e adornar-se de virtudes espirituais, vs. 1-6.
    • (d) Dos esposos: Devem ser considerados com suas esposas, v. 7.
    • (e) De todos: Devem ser amorosos, compassivos, amáveis, atentos, e perdoadores, vs. 8-9.
    • (f) Recordar que uma longa vida e as respostas à oração são prometidas aos que dominam a sua língua, abandonam o mal, fazem o bem e vivem em paz, vs. 10-13.

IV. Instruções e estímulos acerca do sofrimento.

Cap. 3. (Cont.)

  • (1) O sofrimento por causa da justiça é motivo de gozo, não de temor, e deve estar acompanhado tanto da disponibilidade para testificar da experiência cristã como de uma vida reta, vs. 14-17.
  • (2) O exemplo do sofrimento vicário de Cristo, de sua obra espiritual e de sua exaltação, vs. 18-22.

Cap. 4.

  • (3) Os sofrimentos do sacrifício de Cristo devem levar-nos à abnegação, à consagração a Deus, e ao abandono de todos os excessos sensuais do passado, vs. 1-3.
  • (4) Parêntese: Instruções acerca dos deveres práticos da vida cristã, que glorificam a Deus, vs. 7-11.
  • (5) Não se deve estranhar as provas duras, mas sim suportá-las com gozo, v. 12.
  • (6) O sofrimento com Cristo e por Cristo deve ser suportado com gozo, sabendo que conduz à glória espiritual, vs. 13-14.
  • (7) Nunca se deve sofrer como praticantes do mal. Quando, porém, somos chamados a sofrer como cristãos, devemos glorificar a Deus e encomendar nossas almas ao seu cuidado, vs. 15-19.

V. Exortações e advertências finais.

Cap. 5.

  • (1) Aos anciãos da igreja, acerca do espírito no qual se deve alimentar o rebanho, vs. 1-4.
  • (2) Tanto jovens quanto anciãos devem ser humildes e confiantes, vs. 5-7.
  • (3) Advertências acerca do diabo, vs. 8-9.
  • (4) Bênção e saudações, vs. 10-14.

O CRISTO DE PEDRO

    Fonte de esperança, 1:3.
    Cordeiro do sacrifício, 1:19.
    Principal pedra angular, 2:6.
    Exemplo perfeito, 2:21.
    Sofreu pelo ideal, 2:23.
    Levou o pecado, 2:24.
    Pastor das almas, 2:25.
    Senhor exaltado, 3:22.

SETE COISAS PRECIOSAS nas cartas de Pedro.


DESTINATÁRIOS
  • Esta epístola, Pedro a escreveu quase ao fim de sua vida, no ano 60 A.D., quando estava em Babilônia, (5:13) onde, uma igreja cristã havia sido organizada. a Epístola fora enviada por Silvano, (5:12) um dos companheiros de Paulo, agora livre para este serviço, porquanto o apóstolo ainda continuava preso.
  • Foi escrita principalmente, - não exclusivamente - aos crentes hebraicos: judeus, 1:1 e gentios, 2:9,10.

O PROPÓSITO

Evidentemente, foi escrita com duplo propósito:
  • Muitos crentes primitivos chegaram a pensar que Paulo e Pedro esposavam diferentes idéias sobre os fundamentos da fé cristã. Para destruir esses maus pensamentos é que Pedro a escreveu e a remeteu, justamente, por um companheiro de Paulo, às igrejas asiáticas.
  • Outro propósito do escritor, foi o de animar e fortalecer os judeus convertidos, os quais, à essa altura, passavam por duas provações e enfrentavam amargas perseguições; assim fazendo, Pedro cumpria o ministério que lhe impusera nosso Senhor. (Lucas 22:31,32)

PEDRO TRANSFIGURADO

A pessoa de Pedro nos Evangelhos, e seus ensinos nas suas epístolas são notável e gloriosamente diferentes! Nos primeiros, vemos Pedro contemplando seu Senhor transfigurado e, nos últimos, vemos a Pedro que, pela graça sem limite de Deus, está completamente transfigurado. Nos Evangelhos, Pedro aparece sempre impetuoso, corajoso, impaciente, sempre pronto a retribuir uma afronta pessoal, além de ambicioso pelo poder terrestre; porém, em suas cartas, ele surge paciente, longânimo, confiante, amoroso, e com a antiga ligeireza e coragem, purificadas e enobrecidas. 

PALAVRAS CHAVES

  • A palavra "preciosa", evidentemente era uma das proferidas por Pedro. Sete coisas preciosas são mencionadas: 1:7,19; 2:4,6,7; 3:4; II Pedro 1:1,4.
  • Pedro radiante, invencível, não admira que usasse como uma de suas prediletas, a palavra "esperança": 1:3,13,21; 3:15. Enquanto Paulo é chamado "O apóstolo da Fé" e João "O apóstolo do Amor", Pedro é chamado de "O Apóstolo da Esperança".
  • Pedro é notável quanto à Eleição, 1:2; à Predestinação, 1:20; à Trindade, 1:2; à Morte vicária de Cristo, 1:2,18,19; 2:21,24; 3:18; 4:1.
  • Pedro estava sempre pronto para aprender e jamais esqueceu as lições recebidas. Ele aprendeu 1:17 em Atos 10:15,34; 2:4-8 em Mateus 16:18; 2:25 em João 10:1; 4:19 em Lucas 23:46; 5:2 em João 21:15,17 e 5:5 em João 13:4,5.
  • Porém, a verdadeira palavra chave é: "Sofrimento". Esta palavra e suas equivalentes aparecem vinte e uma vezes nesta pequena epístola e dão a mensagem do livro. Os sofrimentos de Cristo são mencionados em todos os capítulos, porém, nem uma só vez na sua segunda epístola.
(1) PODENDO REGOZIJAR-SE NO SOFRIMENTO POR CAUSA DE - Cap. 1:1-13 - Chave 1:6

SALVAÇÃO

  • "Pedro", nome dado por Jesus.

  • Notar a força da palavra "Em que" no verso 6.

  • Esta salvação gloriosa que, pela Graça, é nossa, através do sofrimento e das provas, nos leva ao "gozo inefável e glorioso".

  • E numa grande esperança, 13.

(2) PARA SOFRER, INOCENTEMENTE, PARA A GLÓRIA DE DEUS, É ESSENCIAL A - Caps. 1:14 e 3 - Chave 2:12,19,20; 3:1,17 com 4:15,16

SANTIDADE

  • Que é essencial a santidade, do coração e da vida, encontra-se em tudo que Pedro escreve nesta seção.

  • Ele está ansioso, para que ninguém, por conduta pecaminosa ou descuidada venha a sofrer perseguição e sofrimentos.

  • Uma vida descuidada pode nos expor ao vitupério dos inimigos da Cruz.

(3) SOFRENDO ASSIM, TEMOS COM NOSSO SENHOR, - Cap. 4 - Chave 4:13

COMUNHÃO

  • Notar: "E acham estranho"  verso 4, e "coisa estranha" do verso 12.

  • O pensamento de Pedro aqui, diz que a vida é reta quando no sofrer estamos em comunhão bendita com o Senhor.

  • Há uma cobertura de pecados que é legítima, verso 8; sendo que se refere ao pecado dos outros e não ao nosso.

(4) ASSIM SOFRENDO JAMAIS ESQUEÇAMOS QUE SE SEGUIRÁ A - Cap. 5:1-4 - Chave 5:1 com 1:11,13 e 5:10

GLÓRIA

  • Conforto abençoado na tristeza e nas provações traz o pensamento no futuro.

  • Esta pequena seção está repleta de "glória que se há de revelar".

  • "Revesti-vos de humildade" (5) é, literalmente, "revesti-vos de humildade como de uma avental de escravo".

(5) LEMBRAR QUE A PARTE DE TODOS É O SOFRIMENTO EM - Cap. 5:5 ao fim - Chave 5:9

COMUM

  • Não ´r bom imaginarmos que ninguém há que sofra como nós.

  • O fato é, a luz do verso 9, que, sofrimento e tristezas são experiências comuns a todos.

Ninguém está isento delas.

  • "Humilhai-vos" (6) para que Ele não seja obrigado a humilhar-vos.


 
Envie esta página à um(a) amigo(a)