A Bíblia em Esboco
A Primeira Epístola Aos Coríntios


Análise nº 46

Verso-chave: 1:2 "Senhor deles e nosso"

Mensagem: A Soberania de Cristo

INTRODUÇÃO GERAL

AUTOR: Paulo, o apóstolo. Veja 1:1.

MARCO HISTÓRICO: A igreja de Corinto foi fundada por Paulo em sua segunda viagem missionária. Esta igreja havia sido contaminada com males que a rodeavam, pois Corinto era uma cidade licenciosa.

Os gregos estavam orgulhosos de seus conhecimentos e de sua filosofia, mas ao mesmo tempo eram muito imorais. Eram especialmente amantes da oratória. É aparente que Apolo, um judeu cristão eloqüente que chegara a Corinto, havia ganhado a admiração dos cristãos gregos, Atos 18:24-28.

Este fato levou a fazer comparações entre Apolo, com sua eloqüência e persuasão, e outros líderes religiosos - especialmente com Paulo cuja aparência física parece não ter sido impressionante (veja II Coríntios 10:10).

Este fato talvez tenha sido a causa das divisões na igreja I Coríntios 1:11-30. O desejo de Paulo de purificar a igreja das facções espirituais e da imoralidade, foi a causa primordial da escritura da carta.

A CARTA PODE SER DIVIDIDA EM DUAS PARTES.

PARTE I. Tema principal. A purificação da igreja de falsos conceitos do ministério, de orgulho intelectual, de males sociais, e de outras irregularidades, caps. 1-11.

CADEIA CHAVE mostrar os falsos conceitos do ministério, 1:12-17; 3:4-7, 21-22; 4:6-7.

SINOPSE

  • (1) A saudação, 1:1-9.
  • (2) A necessidade de purificar a igreja das divisões parciais, do culto aos homens, e do gloriar-se na sabedoria mundana, 1:10-31.
  • (3) O ministério exemplar de Paulo. Este não tentava mostrar sabedoria mundana. Simplesmente declarava a sabedoria de Deus numa mensagem revelada pelo Espírito Santo, 2:1-16.
  • (4) A disputa sobre líderes é uma característica de imaturidade e carnalidade, 3:1-8.
  • (5) O verdadeiro ponto de vista do ministério. Os ministros devem ser vistos:
    • (a) Como despenseiros da verdade, 3:1-2.
    • (b) Como jardineiros, 3:6-8.
    • (c) Como colaboradores de Deus, 3:9.
    • (d) Como edificadores do caráter, 3:10.
    • (e) Como servos confiáveis, 4:1-2.
    • (f) Como sofredores por causa do nome de Cristo, 4:9-13.
    • (g) Como exemplos, 4:16-17.
    • (h) Como administradores de disciplina, 4:18-21.
  • (6) O dever de purificar a igreja:
    • (a) Da imoralidade, 5:1-13.
    • (b) De disputas, 6:1-8.
    • (c) Os crentes, como membros do corpo de Cristo e templos do Espírito Santo, devem purificar-se de toda sensualidade, 6:9-20.
  • (7) A santificação do matrimônio e de todas as relações sexuais, e as supremas aspirações da vida espiritual, 7:1-40.
  • (8) Os ideais cristãos exigem o sacrifício de certos direitos e privilégios para o bem do ignorante e do fraco. Por exemplo, comer carne que tenha sido oferecida a ídolos. 8:1-13.
  • (9) O exemplo de Paulo, ao renunciar a certos direitos e liberdades a fim de ganhar as pessoas para Cristo, 9:1-27.
  • (10) O exemplo de infidelidade de Israel é uma advertência para a igreja, 10:1-15.
  • (11) A comunhão nos elementos da Ceia do Senhor requer separação de associações mundanas, 10:16-21.
  • (12) A influência cristã deve ser cautelosa quanto a comidas e bebidas, 10:23-33.
  • (13) Os costumes sociais devem ser observados quanto às vestes, 11:1-16.
  • (14) A purificação da igreja quanto a desordens acerca da Ceia do Senhor e a observância devida, 11:17-34.

PARTE II. Instrução doutrinária e conselhos.

  • (1) Acerca da diversidade dos dons espirituais, 12:1-31.
  • (2) A preeminência do amor, 13:1-13.
  • (3) A preeminência da profecia sobre o dom de línguas e a importância da devida ordem nas reuniões públicas, 14:1-40.
  • (4) A doutrina da ressurreição, 15:1-58.
  • (5) Instruções finais e saudações, 16:1-24.


A IGREJA

A igreja em Corinto foi fundada por Paulo, como resultado de 18 meses de trabalho naquela cidade. (I Coríntios 4:15 e Atos 18)

A ORIGEM DA EPÍSTOLA

  • Após a retirada de Paulo, surgiram graves desordens. Durante a sua estadia de 3 anos em Éfeso, (Atos 19 - 20:31) provavelmente correu a Corinto para ali passar alguns dias, afim de consertar a situação e corrigir abusos. (A primeira vista, Atos 18; I Coríntios e II Coríntios, foram escritas no fim do terceiro ano de ministério em Éfeso, (I Coríntios 16:8) mas, em II Coríntios 12:14 e 13:1, Paulo fala em fazer uma terceira visita.)
  • Na sua volta, ele escreveu sua primeira carta, (perdida, veja I Coríntios 5:9 e 11) assim, o que chamamos primeira carta é a segunda e a segunda é a terceira.
  • A chegada e as notícias dos membros duma família bem conhecida (I Coríntios 1:11) e as notícias constantes de outros viajantes, (I Coríntios 5:1, 9:18) provaram que, não obstante todos os esforços de Paulo, as tristezas permaneciam. Depois veio a resposta à sua primeira carta, com novas perguntas, (I Coríntios 7:1) e, para respondê-las e ao mesmo tempo dar tranqüilidade à sua alma, com respeito a tais desordens, então escreveu a carta.

GUIA E CHAVE

  • A orientação desta mensagem e a compreensão desta epístola está na condição mental, moral e espiritual dos corintos.
  • Posto que os membros da igreja de Corinto viessem, na sua quase totalidade, da classe baixa, (I Coríntios 1:16 e 6:9-11) nem por isso se libertaram da obsessão peculiar aos gregos, quanto ao seu orgulho intelectual. "Corinto era a rival de Atenas. - Os gregos se orgulhavam de sua língua, de sua literatura, de sua sabedoria e lógica. Paulo preparou esta epístola para ir ao encontra da mentalidade grega. Começa renunciando a sabedoria, (I Coríntios 1:17 e 2:1). Em tudo, a epístola é uma repreensão aos príncipes deste mundo, tão confiantes em sua sabedoria mundana, mas, insensatos aos olhos de Deus. O mundo, pela sua sabedoria, não conheceu a Deus. (I Coríntios 1:21) O homem natural não compreende nem pode receber as coisas do Espírito; as verdades mais sublimes lhes são escondidas. (I Coríntios 2:14)" - (Dr. Pierson)
  • Eram dados, também, à imoralidade, (I Coríntios 5:1-11 e 6:15-18) à bebedice, (I Coríntios 9:21) pecados característicos de sua cidade.

O ESTILO

Esta epístola, caracteristicamente, uma epístola de repreensão. A doutrina nela contida é de repreensão e correção. (Veja I Coríntios 15:12) - É intensamente prática, (até o ardente capítulo da ressurreição é usado, ali, como incentivo ao serviço) reprovando e corrigindo abusos da vida social e eclesiástica do povo; e, posto que, foi primeiramente aplicada aos crentes de Corinto, os princípios, ali expostos, a fazem apropriada e aplicável ao povo de Deus, em todos os tempos.

A DIVISÃO

Divide-se, naturalmente, em duas seções principais; tratando dos assuntos:

  1. relatados a Paulo, e,
  2. inquiridos de Paulo

I Coríntios - INTRODUÇÃO - Cap. 1:1-9

(A) INFORMANDO PAULO

 

 (1) Desordens na Igreja - Caps. 1:10 - 4:21
  1. Divisões partidárias denunciadas, 1:10-18
  2. A sabedoria mundana denunciada, 1:19 - 2:16
  3. O ministério verdadeiro
(2) Irregularidades Sociais - Caps. 5 - 6:8
  1. A imoralidade denunciada Capítulo 5
  2. Falta de amor fraternal, severamente repreendida 6:1-8
 

(B) PAULO INQUIRIDO

(3) Irregularidades Sociais - Caps. 6:9 - 10
  1. Sobre o casamento, celibato e o divórcio 6:9 - cap. 7
  2. Sobre os manjares oferecidos aos ídolos cap. 8
  3. Sobre a autoridade e exemplo de Paulo cap. 9
  4. Lição tirada de Israel 10:1-15
  5. A lei do amor em relação ao comer e beber 10:16-33
(4) Desordens na Igreja - Caps. 11 - 16
  1. A modéstia feminina, na Igreja 11:1-16
  2. Desordens à mesa do Senhor repreendidas 11:17-34
  3. Os dons espirituais cap. 12
  4. Sobre o amor cap. 13
  5. A profecia, o dom maior cap. 14
  6. O grande capítulo da ressurreição cap. 15
  7. Concernente às coletas 16:1-4
 

I Coríntios - CONCLUSÃO - Cap. 16:5-24

 
A MENSAGEM

Um estudo cuidadoso do Novo Testamento, revela este fato: o título completo de Nosso Senhor - Senhor Jesus Cristo, nunca lhe é conferido senão quando o escritor procura dar ênfase à soberania de Cristo. Quão significativo é, então, encontrar este título, dado a nosso Senhor, seis vezes nos primeiros dez versos - 2, 3, 7, 8, 9 e 10. O nome "Senhor" é mui proeminente, (1:31, 2:8, 16; 3:20, 4:4, 5:4,5; 6:13). Há uma grande significação nisso quando se reconhece que todas as desordens introduzidas na igreja, derivaram do fato de não reconhecerem em Jesus Cristo, o Senhor! - Oh! coroai a Jesus Cristo como Senhor de vossas vidas!

 


 
Envie esta página à um(a) amigo(a)