A Bíblia em Esboco
Atos dos Apóstolos


Análise nº 44

Chave da Análise: 1:8

Chave da Mensagem: 1:1

Mensagem: O trabalho que Jesus iniciou, descrito nos Evangelhos foi, e ainda é feito por Ele pelo Espírito Santo.

INTRODUÇÃO GERAL

AUTOR: Lucas, o médico amado (Veja Colossenses 4:14). O livro é em certo sentido, uma continuação do Evangelho de Lucas, e está dirigido à mesma pessoa, a Teófilo, 1:1.

TEMA PRINCIPAL: A história do desenvolvimento da igreja primitiva desde a ascensão de Cristo até o encarceramento de Paulo em Roma, e o começo de seu ministério ali. Muitos eruditos da Bíblia vêem neste livro o começo formal da era do Espírito Santo. Ao partir, Cristo fez o anúncio de uma grande campanha de missões por todo o mundo, através da mediação humana sob o poder do Espírito, 1:18.

O LIVRO PODE SER DIVIDIDO EM DUAS PARTES, o período das missões estrangeiras.

I. O período das missões locais, com Jerusalém como o centro. A obra centraliza-se principalmente na Palestina entre os judeus, sendo o apóstolo Pedro a figura preeminente.

  • (1) Os acontecimentos preparatórios.
    • (a) A comissão divina, 1:4-8.
    • (b) A ascensão do Senhor, 1:10-11.
    • (c) A descida do Espírito, 2:1-4.
    • (d) O equipamento dos obreiros, 2:4; 4:31.
  • (2) Os ministérios.
  • (3) Atos acerca da Igreja.
    • (a) Seu crescimento. Veja 7:33.
    • (b) Sua plenitude do Espírito Santo, 4:31.
    • (c) Sua unidade e benevolência, 4:32-37.
    • (d) Seu poder espiritual, 5:12-16.
    • (e) A eleição dos diáconos, 6:1-6.
    • (4) As perseguições da IGREJA, 4:1-3, 17-22; 5:17-18,40; 6:8-15. Perseguições sob Saulo de Tarso, 8:1-3; 9:1.

II. O período das missões estrangeiras. O centro de operações, inicialmente em Jerusalém, é transferido pouco depois para Antioquia da Síria.

  • (1) Acontecimentos preliminares que levaram às missões por todo o mundo.
    • (a) O ministério de Filipe em Samaria, em companhia de Pedro e Joäo, 8:5-25.
    • (b) A conversão de Paulo, que chega a ser o grande missionário e a figura preeminente da igreja durante este período, 9:1-30.
    • (c) A ampliação dos pontos de vista de Pedro por causa da sua visão em Jope, resultando no seu ministério entre gentios de Cesaréia, 10:1-43.
    • (d) O derramamento do Espírito Santo sobre os gentios em Cesaréia e a defesa do ministério de Pedro ali, 10:44 -11:18.
    • (e) A ratificação da obra em Antioquia por Barnabé, o representante da igreja de Jerusalém, 11:22-24.
    • (f) Saulo de Tarso levado por Barnabé a Antioquia. Os dois cooperam no estabelecimento da igreja, no lugar onde os discípulos foram chamados cristãos pela primeira vez, 11:25-26.
    • (g) Parêntese. A perseguição da igreja de Jerusalém por Herodes. A morte de Tiago e o encarceramento e libertação de Pedro, 12:1-19.
  • (2) O acontecimento da época na história das missões estrangeiras. Sob a direção do Espírito Santo, Paulo e Barnabé foram enviados como missionários pela igreja de Antioquia. João Marcos os acompanha, 13:1-5.
  • (3) Primeira viagem missionária de Paulo. Missionários: Paulo, Barnabé, e João Marcos, 13:4 -14:26. Lugares visitados e eventos principais: A ilha de Chipre, onde o procônsul se converteu e o nome de Saulo foi mudado para Paulo no livro de Atos, 13:4-12. Perge e Panfília, onde João Marcos abandonou o grupo, 13:13. Antioquia da Pisídia, onde Paulo prega um grande sermão na sinagoga, 13:14-41. A oposição dos judeus e a obra entre os gentios, 13:44-49. Expulsos da cidade pelos judeus, os missionários vão a Icônio. Aqui eles trabalham durante algum tempo, mas surge uma perseguição e eles fogem para Listra e Derbe, 14:6. A cura do coxo em Listra resultou na tentativa do povo de adorar a Paulo e a Barnabé, mas os judeus promoveram oposição e Paulo foi apedrejado. Imperturbáveis, os dois heróis escapam para Derbe, onde pregam o evangelho e ensinam a muitos, 14:8-20. Deste ponto, os missionários retornam pela mesma rota, visitando e organizando as igrejas. Em Antioquia da Síria apresentam um relatório da viagem, 14:21-28.
  • (4) O concílio de Jerusalém.
    • (a) O assunto em disputa, 15:5-6.
    • (b) O argumento de Pedro a favor da liberdade cristã, 15:7-11.
    • (c) Paulo e Barnabé relatam suas experiências, 15:12.
    • (d) Palavras de Tiago e a decisão do concílio a favor de eximir aos gentios das regras da lei, 15:13-29. Os apóstolos enviam Judas e Silas a Antioquia como portadores da carta do concílio à igreja, 15:27-30.
  • (5) Segunda viagem missionária de Paulo, 15:36 -18:22.
    • (a) Eventos preliminares. Um desacordo entre Paulo e Barnabé acerca de João Marcos. Silas é escolhido por Paulo para acompanhá-lo na viagem, 15:36-40.
    • (b) lugares visitados e principais eventos: Visita às igrejas da Síria e Cilícia, 15:41. Em Listra, Timóteo se une aos missionário, que visitam várias cidades da Ásia Menor, fortalecendo as igrejas, 15:41 -16:5. O Espírito os guia a Trôade, onde Deus os chama à Europa por meio de uma visão, 16:7-10. Em Filipos, as autoridades encarceram a Paulo e Silas; o carcereiro se converte, 16:12-34, e os apóstolos estabelecem uma igreja. O próximo importante acontecimento é a fundação de uma igreja em Tessalônica, onde se levanta uma perseguição e eles vão a Beréia, 17:1-10. Aqui os missionários encontram alguns fiéis estudantes da Palavra, que são receptivos, 17:11-12. Uma tormenta de perseguições se abate novamente sobre eles, e Paulo vai a Atenas, deixando o estabelecimento da igreja a cargo de Silas e Timóteo, 17:13-15. Em Atenas, Paulo encontra a cidade cheia de ídolos e prega um sermão na colina de Marte, mas poucos se convertem à fé, 17:15-34. Em Corinto, Silas e Timóteo se unem a Paulo e fundam uma igreja. A obra é levada a cabo em meio a perseguições que duram dezoito meses, 18:1-17. Após um tempo considerável, Paulo se despede dos irmãos e parte para Síria, fazendo breve escala em Éfeso, e termina sua viagem em Antioquia, 18:18-22.
  • (6) Terceira viagem missionária de Paulo, 18:23 -21:15. Lugares visitados e eventos principais: Visita às igrejas na Galácia e na Frígia, 18:23. Parêntese. Apolo em Éfeso, 18:24-28. Paulo regressa a Éfeso e encontra um grupo de discípulos ainda não perfeitamente instruídos, e os dirige à vida mais plena do Espírito, 19:1-7. Continua sua obra em Éfeso durante dois anos, 19:8-10. O senhor mostra-lhe que aprova o trabalho, outorgando-lhe o dom de curar, 19:11-12. Os pecadores se convertem e muitos queimam seus livros de magia, 19:11-20. Logo se levantou um alvoroço entre os artífices, pois estes temiam que os ensinos de Paulo destruíssem seu negócio de fabricação de ídolos, 19:23-41. Paulo sai de Éfeso, e depois de visitar as igrejas da Macedônia vai à Grécia, 20:1-2. Depois de três meses na Grécia, regressa a Macedônia e vai a Trôade, onde prega, 20:3-12. De Trôade vai a Mileto e manda chamar aos anciãos efésios. Em Mileto, entrega uma mensagem de despedida aos anciãos, 20:17-38. De Mileto Paulo começa a sua viagem de regresso a Jerusalém, advertido pelo Espírito dos sofrimentos que ali o esperam, 21;1-17.
  • (7) Paulo em Jerusalém e Cesaréia.
    • (a) Relata à igreja as experiências de seu ministério entre os gentios, 21:18-20.
    • (b) Para evitar suspeitas, faz um voto, 21:20-26.
    • (c) Os judeus lançam mão dele no templo, mas os soldados romanos o resgatam, 21:27-40.
    • (d) Sua defesa ante a multidão, 22:1-21.
    • (e) Afirma sua cidadania romana a fim evitar ser açoitado, 22:25-30.
    • (f) Comparece perante o Sinédrio, 23:1-10.
    • (g) O Senhor lhe aparece de noite com uma mensagem de ânimo, 23:11.
    • (h) A conspiração de alguns judeus para matá-lo provoca o seu envio a Cesaréia, 23:12-33.
    • (i) A acusação trazida contra ele pelos judeus e a defesa de Paulo perante o governador Félix, 24:1-21.
    • (j) O discurso perante Félix acerca de sua fé em Cristo, 24:24-26.
    • (k) A defesa perante Festo e o apelo a César, 25:1-12.
    • (l) Seu discurso perante Agripa, 26:1-29.
  • (8) A viagem de Paulo, como prisioneiro, a Roma, 27:1 -28:16.
    • (a) A primeira etapa da viagem, 27:2-13.
    • (b) A tempestade e a fortaleza espiritual de Paulo, 27:14-36.
    • (c) O naufrágio e o livramento, 27:38-44.
    • (d) As experiências na ilha de Malta, 28:1-10.
    • (e) A chegada a Roma e seu ministério ali, 28:16-31.


AS OBRAS DE CRISTO

(1) Segundo Daniel Crawford, o pitoresco título Bantu para o livro dos Apóstolos, é "Palavras concernentes às obras".

(2) Mas, as obras de quem? O atual título não nos parece bem correto, porque o livro fala de dois dos apóstolos: Pedro e Paulo. Era conhecido, antigamente, como o "Evangelho do Espírito Santo" e "Evangelho da Ressurreição". Tem sido chamado, também, os "Atos do Espírito Santo", e este é verdadeiro; mas, o correto seria: "Os atos do Senhor Ressuscitado e Glorificado". No Capítulo 1:1 está a revelação da sua mensagem. Os Evangelhos relatam a vida de Jesus na carne. O livro dos "Atos", descreve a Sua vida no Espírito. Neste livro notamos, ainda, o Senhor Jesus Cristo, ressuscitado, vivo, cooperando sempre, pelo Espírito Santo, com seus discípulos. Lucas, no seu Evangelho, escreveu o "que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar"; neste livro, encontramos o sumário do que continuou a fazer e ainda está fazendo.

A ANÁLISE

(1) Este é o único livro incompleto na Bíblia. Notai como se encerra repentinamente. E, de que outra maneira poderia encerrar-se? Como poderíamos ter um relato perfeito, completo da vida de Quem ainda vive? E, o Senhor Jesus ainda vive!

(2) No entanto, neste livro, mesmo incompleto, há ordem e sistema. Capítulo 1:8, é a chave da análise. Todo o livro relata o cumprimento daquela profecia, que indicava o início do trabalho em Jerusalém, sua extensão a toda Judéia e Samaria e, como alcançaria os "confins da terra".

(3) O livro se abre com a pregação do Evangelho em Jerusalém, o grande centro religioso da nação judaica e fecha-se com a pregação em Roma, o grande centro político do império do mundo.

(4) É importante notar que, em cada um desses centros, avançados em influência, há um derramamento singular do Espírito Santo, e um ato do Juízo Divino.

(1) DO PENTECOSTES À MORTE DE ESTEVÃO - O SENHOR TRABALHANDO EM JERUSALÉM - Caps. 1 - 7
  • A obra em Jerusalém inaugurada com o derramamento do Espírito Santo e Juízo. (2:1 - 5:1-11)
  • Notar a Ascensão de Nosso Senhor. (1:1-11)
(2) PERSEGUIÇÃO DE SAULO ATÉ SUA CONVERSÃO - O SENHOR TRABALHANDO EM "JUDÉIA E SAMARIA" - Caps. 8 e 9
  • O trabalho, numa esfera mais ampla, inaugurado por um derramamento do Espírito (8:17) e uma ameaça de Juízo. (8:22-24)
  • Notar:
    • a perseguição de Saulo. (8:1-4)
    • o ministério de Filipe. (8:5-40)
  • A Conversão de Saulo. (9:1-30)
  • O Ministério adicional de Pedro. (9:32-43)
(3) O MINISTÉRIO DE PAULO ATÉ SUA PRISÃO - O SENHOR TRABALHANDO ATÉ AOS "CONFINS DA TERRA" - Caps. 10 a 28
MENSAGEM

Afirmamos que "Atos dos Apóstolos" põe em destaque o Senhor Jesus. Ele é o Obreiro. Fixemos este fato, no livro:

O

SENHOR

JESUS

CRISTO

  1. Comandante e instrutor de seu povo. (1:2-9)
  2. A grande esperança da igreja. (1:10-11)
  3. Guia do seu povo em questões da igreja, nos momentos de perplexidade. (1:24, 10:13, 16:10 e 22:18-21)
  4. Doador do Espírito Santo. (2:33)
  5. Assunto de todos os sermões e mensagens. (2:22-36, 3:13-15, 4:10-33, 5:30, 6:14, 8:5 e 10:36)
  6. Aquele que fazia crescer a igreja. (2:47)
  7. Única esperança para um mundo que está perecendo. (4:12)
  8. Cooperador, ativo, em nosso serviço. (3:16,26 e 28:9,10)
  9. Agente pessoal na conversão de Saulo. (9:3-6)
  10. Animador dos seus, nas suas muitas provações. (7:55,56 e 23:11)

 


 
Envie esta página à um(a) amigo(a)