A Bíblia em Esboco
Lamentações de Jeremias

Análise nº 25

Mensagem:
1) A miséria, conseqüência do pecado.
2) O amor e a compaixão do Senhor pelos expostos à Sua ira.


Versos chaves: 1:12, 2:17, 3:22
e 33

É uma continuação do livro de Jeremias.

TEMA: É uma série de elegias em forma de acrósticos, escritas como se fossem para um funeral nacional, que descrevem a tomada e a destruição de Jerusalém.

Na Septuaginta se encontram as seguintes palavras de introdução, "E Sucedeu", depois que Jerusalém foi levada ao cativeiro, que Jeremias se sentou a chorar e a lamentar, e lançou seu lamento sobre Jerusalém.

Nas escrituras hebraicas os capítulos 1,2,4 e 5 têm cada um vinte e dois versos, e cada verso começa com cada uma das 22 letras do alfabeto hebraico em ordem.

No capítulo 3 os primeiros três versos começam com a letra alef, os segundos três com a letra bet, e assim, sucessivamente.

O capítulo 5 tem vinte e dois versos, mas não estão em forma de acróstico.

SINOPSE

  • (1) A ruína de Jerusalém e o sofrimento dos exilados, devido aos seus pecados, cap. 1.
  • (2) O senhor, o defensor de Israel desde a antigüidade, abandonou a seu povo ao seu terrível destino, cap. 2.
  • (3) A dor de Jeremias sobre as aflições de seu povo, sua confiança em Deus e sua própria perseguição, cap. 3.
  • (4) A glória passada de Israel em contraste com sua aflição presente, cap. 4.
  • (5) Oração pedindo misericórdia, cap. 5.

AUTOR

O livro foi escrito por Jeremias após o 3º sitio e queda de Jerusalém. Na versão setuaginta, o livro traz um prefácio com estas palavras: “E aconteceu que, depois que Israel foi levado para o cativeiro e Jerusalém ficou desolada, Jeremias assentou-se, chorando e lamentando com esta lamentação sobre Jerusalém”. - Note-se que, ao invés de exultar pelo cumprimento das profecias por ele anunciadas à nação, Jeremias se conturba e chora. É um fato, este, digno de nota.

Num lado do Monte do Calvário, o monte verde, fora das muralhas de Jerusalém, onde nosso querido Senhor foi crucificado, há um recesso conhecido como “A Gruta de Jeremias”. Crê-se ter sido aí onde o profeta, sentando-se, contemplou a cidade em ruínas, e com o coração quebrantado, chorando compôs suas lamentações. A ser isto real, quão sugestivo nos será imaginar que, ali perto do lugar onde Jeremias verteu lágrimas de dor, oriundas de seu acendrado amor pátrio, - o Salvador rejeitado, sofreu pelos pecados da mesma, por ele e por toda a humanidade e verteu seu precioso sangue.

Os judeus patriotas, em cada Sexta-feira, cantam por este livro, junto ao “Muro das Lamentações” em Jerusalém. O livro é lido, também em toda a sinagoga judaica por ocasião do jejum, aos nove dias de agosto, dia esse marcado para o pranto e jejum pelas cinco grandes calamidades que sobrevieram à nação.

OPINIÕES

O Principal Whyte escreveu “Nada há, em todo o mundo, como ‘Lamentações de Jeremias’. Tristeza bastante já houve em todas as eras e em todos os países, mas, outro pregador como Jeremias, cujo coração abrigava tanta tristeza, não nasceu. Dante veio depois de Jeremias, e sabemos que Jeremias era o profeta favorito daquele grande desterrado”. Poderíamos citar mais opiniões, mas, cremos que isto basta.

UM MAIOR DO QUE JEREMIAS, AQUI

Não há dúvida de que temos aqui, um maior do que Jeremias. O Dr. Schofield, sugestivamente, disse: “O significado tocante deste livro, encontra-se no fato de ser o descortinar do amor e da tristeza de Jeová por aquele povo mesmo a quem está castigando - uma tristeza operada no coração de Jeremias pelo Espírito Santo”. Foi, também, um símbolo das lamentações e choro de Jesus pela tremenda desolação que sobreviria à Cidade Santa. Há, no livro, muitas referências messiânicas: 1:12 - 2:15 - 3:14, 15, 19 e 30.

Cada lamento foi escrito formando um acróstico, o qual não tem efeito em nossas traduções. “O alfabeto hebraico se compõe de 22 letras. Cada capítulo de Lamentações tem 22 versos e cada verso principia com uma letra do alfabeto hebraico, mantendo a ordem alfabética, excetuando-se o cap. 3 que possui 66 versos; cabendo à Alefe 3 versos, à Bete outros três, e assim até o final. O último capítulo é um pouco irregular”. Parece que o processo de escrever sujeito a um acróstico foi adotado para auxiliar a memória.

ANÁLISE

Há cinco poemas conforme indicam os capítulos. Em cada poema, exceto no último, há referências às condições miseráveis da cidade, seguidas da justificação de Deus quanto ao tratamento drástico aplicado ao Seu povo e uma referência aos viandantes. Cada poema termina com uma oração ao Senhor com exceção feita ao quarto que é beneficiado pelo último, pois este todo é uma oração. A pérola do livro se encontra em 3:22 e 23.

1º POEMA
A cidade representada como uma VIÚVA CHORANDO lamentando em solidão - Cap. 1

Jerusalém é comparada a uma viúva, privada de seus filhos, assentada, sozinha. À noite, chorando. Notemos os dizeres característicos: “ninguém a consola” 2, 9, 17, 21 - “nenhum descanso”, 3 - “pasto nenhum”, 6 - “nenhum confortador”, 9.
1) A cidade na sua calamidade (1-7)
2) Juízes - Deus justificado (8:11 e 18)
3) Viandantes, apelo à simpatia deles (12-19)
4) A oração, apelo ao Senhor (20-22).

2º POEMA
A cidade representada como uma MULHER VELADA agora lamentando entre as ruínas - Cap. 2

Aqui há uma descrição via do cerco de Jerusalém. Neste 2º poema, o profeta medita principalmente, em Deus como autor e administrador dos castigos tão duros.
1) A cidade cercada e sua ruína (1-14)
2) Os viandantes, seus escárnios e injúrias cruéis (15-16)
3) Juízos preditos (17)
4) Oração ao Senhor (18-22).

3º POEMA
A cidade representada como pelo PROFETA CHORANDO, lamentando perante Deus, o Juiz - Cap. 3

Este é considerado com um dos poemas mais notáveis do Velho Testamento.
Ele difere dos outros no fato do profeta identificar-se com o povo e tomar sobre si as misérias e tristezas do mesmo.
1) Cidade - profeta, um homem de aflição (1-20), - profeta, um homem de esperança (21-36).
2) Juízos - Deus justificado (37-39)
3) Apelo à Nação (40-54)
4) Apelo ao Senhor (55-66)

4º POEMA
A cidade representada como OURO deslustrado, alterado, desvalorizado - Cap. 4

1) Cidade - por uma série de contrastes, são pintados os horrores do sitio (1-10)
2) Juízos - Deus justificado (11-16)
3) Crueldades de Edom (17-20)
4) Retribuição a Edom (21-22)

5º POEMA
A cidade representada como um SUPLICANTE rogando ao Senhor - Cap. 5

Ao encerrar-se o poema anterior, não houve oração; este, no entanto, é um longo e fervoroso apelo ao Senhor.
1) Cidade - calamidade (1-6)
2) Pecado - confissão (7)
3) Sofrimento (8-18)
4) Apelo ao Senhor (19-22)


 
Envie esta página à um(a) amigo(a)